Como Proteger Crianças de Perigos e Riscos Online na Internet

Nos dias de hoje, muitas crianças e jovens passam a maior parte do dia diante de aparelhos tecnológicos, inseridos em redes sociais. Os pais devem estar atentos a isso. Monitorar os sites que são acessados pelos filhos é de extrema importância. O conteúdo deve ser adequado e o tempo controlado. 
Leia o texto abaixo e informe-se!
 
Como Proteger Crianças 
de Perigos e Riscos Online na Internet
 
Nosso planeta é uma grande rede online. Talvez por esse motivo, vemos tantas notícias sobre barbaridades. É provável que o ser humano não tenha piorado (pelo contrário), mas pelo fato de termos acesso a mais informação, podemos ter essa sensação de que tudo está perdido. Não está!
 
Nesse contexto, precisamos saber tirar proveito de tanta informação para direcionar e proteger nossas crianças.
 
Recente pesquisa relacionada a psicopatas revela a quantidade destes na sociedade. Uma a cada 25 pessoas, segundo a Dra. Martha Stout do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina de Harvard. Em geral, são pessoas que aparentam total normalidade, inteligentes, bem-sucedidas, "bacanas", mas que agem “na moita”. Sem dúvida, a internet parece ser um paraíso para eles. Talvez sintam-se mais "seguros", escondidos do outro lado da tela. Entre todo tipo de barbaridades cometidas por psicopatas, a pedofilia infantil online parece ser o maior risco da atualidade.
 
Crianças devem ser vigiadas permanentemente. Portanto, assim como os pais devem vigiar no mundo físico, devem vigiar no mundo virtual (Internet). Com informação brotando de computadores, TVs, rádios, celulares, tablets (e até de geladeiras), não dá para, simplesmente, proibir. Os pais precisam compreender esse novo mundo, discutir com seus filhos e, principalmente, ORIENTÁ-LOS. Uma boa dica para ensinar crianças sobre o uso seguro do computador online é gerar ambientes partilhados em família: redes familiares. 
 
Atualize-se! Você pode estudar um pouco de informática e configurar o computador de modo a filtrar o que passar aos filhos. Proteger o computador com as tecnologias conhecidas é fundamental. Converse, informe as crianças de que configurou filtros para um uso seguro da Internet, e oriente quanto à importância de solicitarem apoio no caso de algo falhar. Importante! Faça as configurações de controle no navegador longe da presença delas, de modo que você possa manter o controle. Procure se informar, sempre, sobre o que elas estão acessando, e RECONVERSE. Afinal, quantas vezes você tem que lembrar as crianças de vestir um agasalho quando está frio? Com criança não basta avisar uma vez. Portanto, rediscuta o assunto, periodicamente, alertando sobre os perigos que rondam a Internet. Você poderá fazer isso pegando uma “carona” num noticiário, filme ou mesmo novela, por exemplo. 
 
Segurança nas Redes Sociais
Dicas para pais e filhos em Redes Sociais e Bate-Papos
 
Segue uma pequena lista, mas recomendamos que estejam sempre atentos às novidades e aos noticiários. 
 
• Os pais devem evitar que crianças acessem a Internet sem informar a cada acesso. Todo acesso deve ser sob a supervisão de um responsável, devendo o computador estar instalado em ambiente aberto.
 
• Não publique fotografias, nem da própria criança, nem de locais que frequentam. Até uma placa de carro, que pode aparecer numa foto, é informação para um psicopata que poderá levantar endereço e telefone, por exemplo. Predadores desse tipo adulteram fotos e filmes, usando o próprio material publicado pela vítima.
 
• Nas salas de bate-papo, não converse com pessoas estranhas. Pedófilos se passam por crianças, usando fotos e termos publicados ou usados por outras crianças. 
 
• Não informe dados como idade, sexo, sobrenome, endereço, telefone, escola onde estuda, ou onde faz cursos extracurriculares, como futebol, línguas e informática. Em compras online, assim como matrículas em cursos online, o internauta é solicitado a fornecer dados pessoais, como nome completo, CPF, cartão de crédito, etc. Isso é normal e necessário. No entanto, nesses casos, um responsável deverá estar presente e, no caso de não conhecer a loja ou fornecedor, poderá fazer contato telefônico, ou buscar referências antes de concluir a compra. 
 
• Nos perfis sociais, não dê informação desnecessária. Ironicamente, o “alimento” do psicopata é a informação. Ele usa a informação dada pela própria criança para simular afinidades e criar empatia, se aproximando e ganhando confiança. Assim, se a criança informa que adora ir ao cinema, o psicopata poderá usar essa informação para ganhar a confiança dela. Psicopatas têm essa habilidade. Do dia para a noite, passam a simular que entendem (e gostam) profundamente sobre qualquer assunto, só para ganhar confiança e aproximação.
 
• Nunca marque ou aceite encontrar qualquer pessoa que tenha conhecido na Internet sem a presença dos pais.
 
• Não faça downloads de imagens de fontes desconhecidas, pois podem conter cenas de sexo, objetivando despertar a curiosidade da criança. Tempo e paciência são armas usadas pelos predadores. Seduzem aos poucos, tentando deixar as vítimas à vontade.
• Ensine as crianças a identificar possíveis predadores, fazendo-as desconfiar e avisar aos pais se qualquer pessoa (conhecida ou não) fizer muitas perguntas pessoais, ou com teor sexual. 
 
Disponível em: <http://criancas-online.ciabyte.com.br/>. Acesso em: 25 mar. 2015.

Colégio Espírito Santo - 2018 - Todos os direitos reservados.
Rua Tuiuti, 1442 - Tatuapé - São Paulo - SP
Telefone: (11) 3389-1000